Total de visualizações de página

terça-feira, 25 de outubro de 2011

E no fim do túnel "um brilho fosforescente de putrefação''






                                                   E
                                               B    D
A       A       A                     O            E
   r  i    r    i         M           S                    S
     e        e          O                                     C
                          V                                          E
                          E                                          E
                          D                                          E
                          I                                            E
                          Ç                                           E
                          A                                            .
                                                                        .
                                                                        .
     E 
    Me 
 Engole
Sem parar.


(Está sendo complicado conversar dessa maneira. Mas, mesmo assim, vou tentar dialogar um pouco).







Quando pequena decorei Camões sem entendê-lo muito bem.
Hoje, o declamo como se fosse uma oração.





Me afundei no que minha mãe chama de Banho Maria e, fico mergulhada aqui por algum tempo, até que - vez ou outra - alguém me 'pesca', afirmando eu estar precisando de uma respiração boca a boca pra ver se, enfim, serei salva desse buraco de neve. Mas nunca sou...


Por isso, não vejo a hora de ter um chão concreto entre os meus pés.
Bom, pra falar a verdade, esse foi o presente que sempre quis. Falando em presente, meu aniversário está próximo. 
Nesse ano persisto em querer algo concreto em que eu possa, finalmente, jogar meus pés sem medo. 
Ainda não fiz o meu pedido aos céus. Mas, de todo modo, vou lhe contar que chão, de fato, eu gostaria de ganhar:

Um chão de cimento seco.
Um chão de cimento seco.
Um chão de cimento seco.
Um chão de cimento seco.

UM CHÃO DE CIMENTO SECO, OUVIU BEM?


MAS, eis que, eis queee, eis queee :
se chegar o dia de soprar as velinhas e o Noel, novamente, não acreditar que eu sou digna de ganhar o que espero, vou pedir para ser uma gaivota...

Sem receio e sem nada...

É isso!  Se eu não ganhar o chão, farei isso no soprar das velinhas...

Fecharei os olhos e proclamarei em silêncio:

"Senhor, quero ser uma gaivota feliz"

Imagine: 

"lá vai a Dona Maria Ninguém da Silva, lambendo as águas do mar sem se preocupar com a ‘fundura’...

Sem o castigo do pensar

Batendo as asas sem muitas razões, 
Tomando vento no inverno 
E ainda não se preocupando com destreza alguma".


É, Isso seria melhor que qualquer chão!!!!



Estou enganada?

2 comentários:

Suzi Mossmann disse...

E dizer com palavras nunca foi tão incrível... Ainda sinto o bater do vento pelas asas incertas e indiscretas.
Mover ou não mover? Nem assim param de questionar???
Pra quê?
Por quê?
Como?
Por onde?
Pra onde?
Com quanto?
Por quanto?

...

E se não ardesse?
Aí seria "esquecível"? Ou pelo menos indolor(es)?

...

Milene Maria disse...

"porque não quero voltar outra vez a este plano de movediços terrenos enganosos. sei bem de mim que, quando o sol encontrar novamente meu sol, talvez no próximo verão, também estarei partindo. completa."

c.f.